resenha / review

Mindkult – Lucifer’s Dream

 

Há sempre alguma surpresa que passa despercebida pela grande maioria do público, alguma banda que talvez possa lhe agradar mas por conta de algumas razões você só vem à conhecer um certo período depois. Isso é algo aplicável à Mindkult, one man band criada em 2016 pelo Fowst e que chamou a atenção de algumas pessoas através do EP Witch’s Oath lançado no mesmo ano, mas continua soando como uma novidade para muitos. Isso talvez esteja prestes à mudar com o primeiro full lenght da banda Lucifer’s Dream.

A primeira coisa que você tem que ter em mente em relação à música feita pelo Fowst na Mindkult, é que ela tenta sair um pouco da rotina do Doom Metal. A sonoridade será facilmente reconhecida por muitos, pois possui muitos aspectos que são essenciais no gênero. Mas ao inserir elementos do Shoegaze, Fowst dá uma identidade própria à sua música.

Por mais que essa combinação entre Doom Metal e Shoegaze não seja particularmente algo novo, não é algo que seja predominante na cena ou que mesmo possua tanta assimilação por parte dos ouvintes. E ao contrário de outras bandas que se aventuram por esse caminho, a Mindkult se destaca pelo equilíbrio em que incorpora essas influências do Shoegaze em sua música. O Doom Metal pode ser o plano principal, a espinha dorsal de Lucifer’s Dream que se manifestará na maior parte do álbum com ritmos arrastados e riffs seguindo aquilo de mais tradicional no gênero, mas O álbum também trata de dar espaço aos elementos do Stoner e Shoegaze, introduzindo doses agradáveis de fuzz, uma atmosfera nebulosa e sombria que em alguns momentos caminha pelo psicodélico e combinam muito bem com a linha vocal de Fowst. O álbum foi masterizado pelo James Plotkin (ISIS, Electric Wizard, Nadja) e o artwok ficou por conta da Misanthropic Art (Hooded Menace, Funebrarum, Interment).

Lucifer’s Dream é um álbum que consegue se manter fiel ao tradicional do gênero mas ao mesmo tempo apresentar uma “cara nova” entre os lançamentos recentes, que pode agradar tanto entusiastas quanto aqueles que buscam por algo diferenciado.

Tracklist:
01 – Drink My Blood (08:06)
02 – Nightmares (03:52)
03 – Behold the Wraith (09:20)
04 – Infernals (05:22)
05 – Howling Witch (05:08)
06 – Lucifer’s Dream (09:07)

 

 

Anúncios

Um comentário em “Mindkult – Lucifer’s Dream

  1. ALBUM REVIEW: MINDKULT – LUCIFER’S DREAM

    There’s always some band that goes unnoticed by the vast majority of the public, something that may please you but on account of some reasons you only come to know it a certain period afterward. This is something applicable to Mindkult, one man band created in 2016 by Fowst and that drew the attention of some people through the Witch’s Oath EP released in the same year, but still sounding as a novelty to many. This may be about to change with the first full length of the band called Lucifer’s Dream.

    The first thing you have to keep in mind about the music made by Fowst in Mindkult, is that he tries to get out a bit of the Doom Metal routine. Some aspects will be recognized by you, as it has many aspects that are essential in the genre. But when entering elements of the Shoegaze, Fowst gives a proper identity to his music.

    As much as this combination of Doom Metal and Shoegaze is not particularly something new, it’s not something that is predominant in the scene or that even is known by the biggest part of the listeners. And unlike other bands that venture that way, Mindkult stands out by the balance in which it embodies these influences of the Shoegaze in its music. Doom Metal may be the main plan, the backbone of Lucifer’s Dream that will manifest itself in most of the album with dragged rhythms and riffs following that of more traditional in the genre, but the album also deals to give space to the elements of Stoner and Shoegaze by introducing pleasant doses of fuzz, a foggy and gloomy atmosphere that in some moments walks through psychedelic music and combine with the Fowst’s vocal line. The album was mastered by James Plotkin (ISIS, Electric Wizard, Nadja) and artwok was on account of Misanthropic Art (Hooded Menace, Funebrarum, Interment).

    Lucifer’s Dream is an album that manages to stay faithful to the traditional genre but at the same time presenting a “new face” among the recent releases, which can please both enthusiasts and those seeking for some new takes of the genre.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s