resenha / review

DAKHMA / PILORI – SPLIT

Na resenha de hoje falarei sobre o Split entre as bandas Dakhma e Pilori, lançado no dia 4 de Outubro.

A Dakhma é uma banda americana formada em 2014 e tem lançado material inédito regularmente. Eu ainda não tive tempo suficiente para escutar toda a discografia da banda, o que não me permite uma análise mais profunda da música feita por ela ao longo de sua carreira. Mas devo dizer que a faixa escolhida para integrar o Split consegue captar bem as ideias que representam sua sonoridade dentro daquilo que conheço.

“Frenzy Witchcraft” possui um tom cru, visceral e sujo, aquela tirlha sonora que merece o título de apocalíptica e se dá bem ao explorar elementos do metal extremos. A faixa é levemente atmosférica, com riffs estridentes muito destacados e vocais ápseros abraçando um lado mais sombrio e angustiante. Esses dois pontos conseguem se destacar mais facilmente nas primeiras audições, mas devo ressaltar que a banda trata de conduzir seu instrumental com algumas variações interessantes, mas sem abrir mão de aplicar uma carga esmagadora e pesada sobre nós.

A Pilori é uma banda francesa que além desse Split, possui uma demo com 4 faixas que foi lançada no ano passado. A banda executa uma mistura entre Hardcore / Crust com influências vindas do Grind e Black, e se assim como eu você ficou curioso para saber o que sai dessa mistura, as faixas “Via Crucis” e “Le Baiser” servirão para sanar qualquer dúvida.

A banda inicia demolindo tudo o que estiver ao seu alcance com a faixa “Via Crucis”, adotando um ritmo predominantemente intenso e brutal que condiz bem com as influências do grupo. Na “Le Baiser” a banda introduz uma abordagem interessante, construindo a faixa à partir de um início calmo e ameno, antes de retornar para onda devastadora da faixa inicial. Em alguns momentos o instrumental incorpora características que lembraram algo feito pela Celeste, principalmente aqueles riffs estridentes capazes de criar uma atmosfera gélida. E essa capacidade de explorar diferentes texturas é o que mais me agradou no som feito pela Pilori, claro que o fato dela fazer um som pesado ajuda, mas demonstrar vontade em não se prender excessivamente à uma única ideia é algo admirável em todas as situações.

E você sabe que o Split te agradou de verdade quando logo após o final, a única coisa que você deseja é escutar mais músicas de ambas as bandas. Se você se identfica com bandas que mesclam Black Metal com Hardcore e outras vertentes, não deixe de conferir o Split.

Anúncios

Um comentário em “DAKHMA / PILORI – SPLIT

  1. ALBUM REVIEW: DAKHMA / PILORI – SPLIT

    In today’s review, I will talk about the Split between the bands Dakhma and Pilori, released on October 4th.

    Dakhma is an American band formed in 2014 and has released material regularly. I haven’t had enough time to listen to the band’s entire discography, which doesn’t allow me a deeper analysis of the music made by them throughout its career. But I must say that the track chosen to integrate the Split captures the ideas that represent their sound within what I know.

    “Frenzy Witchcraft” has a raw, visceral and dirty tone, that kind of sound that deserves the title of apocalyptic and grabs you by exploring elements from extreme metal. The band is lightly atmospheric, with very prominent shrill riffs and harsh vocals embracing a darker and harrowing side. These two points can be more easily highlighted in the first hearings, but I must emphasize that the band treats their instrumental with some interesting variations, but without giving up an overwhelming and heavy burden on us.

    Pilori is a French band that in addition to this Split has also a 4-track demo that was released last year. The band performs a mixture between hardcore/Crust with influences coming from the Grind and Black, and if just as I have been curious to know what comes out of this mixture, the tracks “Via Crucis” and “Le Baiser” will serve to clarify any doubts.

    The band starts demolishing everything in its range with the track “Via Crucis”, adopting a predominantly intense and brutal rhythm that matches with the influences of the group. In “Le Baiser” The band introduces an interesting approach, constructing the track from a calm and mild start, before returning to the devastating wave of the initial track. In some moments the instrumental incorporates some elements that remembered something made by Celeste, especially those strident riffs capable of creating a icy atmosphere. And this ability to explore different textures is what I liked most in the sound made by Pilori, of course that the fact that it does a heavy sound helps, but demonstrate willingness to not hold excessively to a single idea is something admirable in all situations.

    And you know that Split really pleased you when right after the end, the only thing you want to do is listen to more songs from both bands. If you are looking for bands blends extreme music with a some other styles, that’s a must listen to you.

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s