Recomendações

Black Box Warning, High Priestess & Boss Keloid

Após um atraso considerável, retorno com três novas recomendações de discos que tenho escutado ultimamente. Dessa vez, trago do Doom/Sludge dos Black Box Warning, a pegada setentista encontrado linhas psicodélicas do Doom Metal das High Priestess, e encerrando com a diversidade incrível e encantadora dos Boss Keloid. Espero que gostem!

Black Box Warning – Attendre La Mort

a3655056586_16

A Black Box Warning é mais uma das boas novidades vindas da cena francesa neste ano. A banda lançou seu EP de estreia intitulado Attendre La Mort no dia 8 de Março e se você aprecia bandas que transitam por elementos clássicos do Doom e Sludge dos anos 90, mas que mantenham uma roupagem mais atualizada, você definitivamente precisa ouvir o trabalho desses caras.

Attendre La Mort vai direto ao ponto, é pesado à níveis arrasadores e insanos, sujo da forma que aprecio minhas bandas favoritas de Sludge, e ainda mostram musicalidade de sobra sendo capazes de criar faixas com diversas variações rítmicas que impedem que a experiência proposta pela banda se torne exaustiva. Pelo contrário! Esses caras tem a medicação ideal para você que se sente apático e preso à monotonia, então certifique-se de consumir este EP sem moderação.

High Priestess – High Priestess

a3690867671_16

As High Priestess são um power trio americano formado em 2016 e que recentemente se juntou à família da Ripple Music para lançar seu trabalho de estreia auto intitulado no dia 18 de Maio.

O álbum traz uma releitura da demo lançada no último ano e mais a faixa inédita ‘Banshee’. Caso este seja o seu primeiro contato com a banda, espere por uma sonoridade que reúne influências que vão desde bandas dos anos 70 assim como algo da cena Doom Metal de outras épocas, apostando em uma linha mais psicodélica para fomentar sua sonoridade.

Os vocais são um dos pontos que mais despertaram meu interesse, trazendo linhas hipnóticas e cânticos que em alguns momentos soam como um verdadeiro mantra. Na estelar ‘Earth Drive’ com sua pegada inspirada no folk é onde se encontram um de seus momentos mais deslumbrantes. E a performance instrumental não fica atrás em questão de qualidade e versatilidade, moldando uma atmosfera nebulosa e psicotrópica que te levam desde momentos de pura euforia e libertação, à outros que trazem uma áurea sombria que vai te envolver completamente, como na ‘Mother Forgive Me’, minha favorita do álbum.

O álbum é estonteante e definitivamente vai satisfazer o gosto de muitos aficionados pelo estilo, então tenha certeza de incluí-lo em sua playlist, e claro, ficar de olho no que esse trio vai lançar futuramente!

Boss Keloid – Melted on the Inch

a1812805677_16

Se você gosta de bandas que transitem por vertentes pesadas da música com uma série de influências do rock progressivo, você precisa parar tudo o que estiver fazendo e escutar o Melted on the Inch, mais novo trabalho da banda britânica Boss Keloid.

Honestamente, você deveria escutar toda discografia, mas por hora, Melted on the Inch é um cartão de visitas mais apropriado. Criatividade e inspiração são duas coisas que exalam de cada trecho deste álbum, é uma banda capaz de reunir uma série de dinâmicas e influências dentro de um único contexto, criando uma tipo de música que está sempre se transformando e expandido.

Melted on the Inch é algo que pode e deve explodir sua mente. À todo instante a Boss Keloid vai te lançando de encontro a paisagens sonoras vibrantes, criadas à partir de um processo de instrumentação rico em detalhes e vasto. Queira você belos arpejos de guitarra, linhas de baixo e percussão numa pegada jazzy, ou vocais que mudam constantemente o tom par se encaixar no clima do álbum, Melted on the Inch é um álbum único e que vem para reforçar a presença da Boss Keloid entre as bandas mais criativas não só da cena britânica. Se você é fãs de bandas como Elder e Mastodon, você precisa ouvir a Boss Keloid.

Anúncios
Recomendações

[Recomendação] Eagle Twin – The Thundering Heard

a1952182089_16

Lançamento: 30 de Março
Gravadora: Southern Lord Recordings

 

  • Eagle Twin é um duo de Salt Lake City formado por Tyler Smith (bateria) e Gentry Densley (guitarra, vocal).
  • The Thundering Heard é o terceiro álbum de estúdio da banda, responsável por encerrar um período de 6 anos desde o lançamento do ótimo The Feather Tipped the Serpent’s Scale.
  • A Eagle Twin nunca foi uma banda comum na cena do Doom Metal e The Thundering Heard só reforça essa ideia. De fato, é o álbum mais acessível da discografia do duo, mas ainda apresenta toda dinâmica robusta, criativa e recheada de camadas e elementos de outros estilos que marcaram os outros dois lançamentos do duo.
  • O álbum tem muito o que oferecer principalmente para aqueles que gostam de abordagens menos óbvias, e digo isso levando em consideração como um duo consegue criar um som tão expansivo e que não se prende excessivamente à estruturas repetitivas, a Eagle Twin trata de desencadear uma série de ritmos esmagadores que vão desde avalanches sonoras estarrecedoras (sendo a ‘Heavy Hoof’ minha favorita), à momentos em que sua mente será levada pelo tom meditativo e instigante encontrada na faixa ‘Elk Wolfv Hymn’.

 

Recomendações

[Recomendação] Ataraxy – Where All Hope Fades

a0560565208_16

Lançamento: 18 de Fevereiro
Gravadora: Dark Descent Records

 

  • Ataraxy é uma banda espanhola da cidade de Zaragoza e foi criada no ano de 2008. O quarteto é formado Javi (vocal, guitarra), Viejo (bateria), Santi (guitarra) e Edu (baixo).

 

  • Where All Hope Fades é o segundo full lenght da banda, o primeiro pelo selo Dark Descent Records, no qual a banda deixa um pouco de lado a abordagem primária que consistia num Death Metal influenciado pela cena dos anos 90 e passa a atribuir elementos do Death/Doom característicos de bandas da cena finlandesa e nomes como Katatonia e Asphyx.

 

  • O álbum é marcado por uma atmosfera mórbida e misteriosa, alternando com bastante coesão entre passagens repletas da brutalidade vinda das raízes Death Metal do grupo, com momentos arrastados em que o tom de melancolia ganha proporções notáveis.

 

  • A parte instrumental merece elogios, o mix na maior parte do disco permite uma audição detalhada de cada instrumento, dando destaque para os riffs monstruosos e linhas de guitarra melódicas que disputam o centro das atenções. À frente disso estão os vocais cavernosos e melancólicos de Viejo, que conseguem aumentar a intensidade da atmosfera criada pelo instrumental e demonstrar uma fúria incontrolável nas passagens mais aceleradas e pesadas do disco.

 

  • Where All Hope Fades demonstra eficiência em criar faixas agressivas e pesadas, mas sem deixar de lado o clima sombrio e a atmosfera sinistra. Pode não ser o lançamento de maior destaque dentro da cena Death/Doom no ano, mas é algo que eu recomendaria à todos os fãs do gênero. Destaque para as faixas ‘A Matter Lost In Time’ e ‘The Blackness Of Eternal Night’.

Ouça o álbum no Bandcamp ou Spotify.

Recomendações

[RECOMENDAÇÃO] USURPRESS – INTERREGNUM

folder

Lançamento: 23 de Fevereiro
Gravadora: Agonia Records

 

  • Usurpress é uma banda sueca que iniciou suas atividades em 2010, originalmente formada por  Stefan Pettersson (vocal), Påhl Sundström (guitarra) e Daniel Ekeroth (baixo)

 

  • Interregnum é o quarto álbum de estúdio da banda e facilmente o mais ambicioso e criativo já produzido por ela. Caracterizada pela sonoridade sustentada por um Death Metal cavernoso e que a cada lançamento foi incorporando elementos de outros estilos como Sludge e Doom, Interregnum vê a banda pisando em um terreno repleto de influências do Rock Progressivo e Jazz.

 

  • Descrito pela própria banda como uma fusão entre Bolt Thrower e Camel, Interregnum conta com a participação dos músicos Stefan Hildman (baterista) e Erik Sundström (teclado), e ambos desempenham papéis fundamentais na construção da sonoridade encontrada no álbum, que consegue manter os padrões de peso e brutalidade elevados e sobrepô-los à passagens incrivelmente imersivas, suaves e com um ar hipnótico adicionado pelo teclado.

 

  • Por mais que o álbum possa soar um pouco ousado, a banda claramente sucede dentro daquilo que se propõe à criar. O álbum possui diversas nuances e todas muito bem executadas, sendo um prato cheio para aqueles que procuram por algo pesado mas que não siga exatamente os padrões mais convencionais do gênero. No meio de tantos riffs de alto calibre, vocais que vão do gutural à passagens limpas repletas de melancolia, baixo e bateria adicionando momentos técnicos, brutais e seções jazzy, e por fim, o teclado lançando camadas extras à sonoridade, opções não faltam ao longo das sete faixas para te manter fixado, bater cabeça e contemplar belas melodias que surgem através de transições iniciadas com espamos brutais fornecidos pela banda.

 

  • Os destaques do álbum ficam por conta das faixas ‘In Books Without Pages’ e ‘Ships of Black Glass’.

 

Ouça o álbum no Bandcamp ou Spotify.

 

Recomendações

[RECOMENDAÇÃO] GREEN LUNG – FREE THE WITCH (EP)

cover

Lançamento: 19 de Fevereiro
Gravadora: Deckhead Records

 

  • Green Lung é uma banda londrina formada por Tom Templar (vocal), Scott Masson (guitarra), Andrew Cave (baixo) e Matt Wiseman (bateria).

 

  • Free the Witch é o primeiro material oficial lançado pela banda, seguindo a demo Green Man Rising do ano passado. Formado por quatro faixas e totalizando cerca de 25 minutos, o EP apresenta uma banda aprimorada em relação à demo, trazendo composições que transitam por linhas clássicas e conhecidas dentro do Doom e Stoner.

 

  • A banda não esconde suas influências e ganha o ouvinte através de composições vibrantes e grudentas, que se destacam tanto pelo instrumental pesado quanto pelas propriedades psicodélicas e ocultistas que aborda.

 

  • Embora não seja um tipo de lançamento que se destaca pela originalidade, a banda trata de entregar faixas coesas e cheias de nuances, além de dispôr de uma energia contagiante que impede que as faixas se arrastem ou se tornem exaustivas.

 

  • Destaques: não é pelo fato de ser um EP com poucas faixas que direi isso, mas todas são são extremamente agradáveis e prontas para chapar a sua mente. A escolha de uma favorita nele será baseada puramente na experiência pessoal de cada um. A minha é a ‘Living Fossil’, e a sua?

 

Ouça o álbum no Bandcamp, Youtube ou Spotify.